sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Blind Guardian em Portugal




Este Verão vi um barrigada de bandas de heavy metal, que culminou no primeiro concerto dos germânicos Blind Guardian em Portugal.

Por esta banda desloquei-me no dia 30 (ultimo dia do festival da Ilha do Ermal) com mais 4 amigos meus. Lá fomos nós num carro por ali acima á aventura. Chegamos a Vieira do Minho mesmo na altura certa, hora de almoço, onde comemos um prato tradicional da zona.

Depois apanhámos o autocarro para lá (porque os carros não podiam ir para lá. Ridículo mas esta é umas das algumas queixas que tenho da organização do evento. Depois de lá chegados, ainda tivemos que comprar os bilhetes e descer cerca de 2km até chegarmos ao recinto do festival. Fomos logo recebidos pela Gestapo...err, perdão. GNR ou lá quem eram. Parecia q íamos entrar em Guantanamo ou estávamos a entrar de livre vontade num campo de concentração nazi tal o número desproporcionado de agentes da policia: era agentes armados até ao dente, agentes com cães a andar pelo recinto, lanchas com agentes a vigiar quem estava tomar banho, agentes a cavalo e não sei se também não vi algum helicóptero a sobrevoar a cena. Enfim só neste país é q uma cena destas podia a acontecer. Já fui a Espanha ver concerto de heavy metal e nunca vi nada parecido, nem algo que se pareça. Infelizmente esta é a imagem do país de mentalidade retrógrada e discriminatória que ainda vivemos em pleno século XXI.






Como ainda era cedo para começarem os concertos, fomos dar uma volta, beber algo fresco e depois descansarmos á sombra. Houve quem aproveitasse para tomar uns bons belos banhos. Realmente apetecia. Os concertos lá começaram. Algumas bandas portuguesas, mas era muito barulho, muito grunhir e soava tudo ao mesmo e por causa disso fomos para outro sitio há sombra onde ficámos a falar com amigos que encontrámos por lá.

A primeira banda que realmente nos chamou a atenção foram os noruegueses Thunderbolt. Muito boa banda e com muito boa presença em palco a praticar um excelente heavy metal, com um vocalista fan de Bruce Dickinson tal eram os trejeitos , gestos e poses que ele fazia a lembrar o vocalista dos Iron Maiden. Muito boa, melódica e boa projecção. Soube pegar muito bem no publico.






A seguir vieram os franceses Nightmare, que praticam um bom heavy metal com uns traços de power metal e thrash metal. Novamente também muito bons em palco e comunicativos. O vocalista com uma excelente voz puxava pelo publico e sempre com uma grande alegria em cima do palco que conseguiu transmitir ao publico. Mais um excelente concerto.








A seguir vieram os Ramp. Banda portuguesa já com vários anos de carreira mas que nunca me atraiu e que pratica um metalcore, estilo que me desagrada bastante. Assim, aproveitei para ir jantar e ganhar forças para o tão esperado concerto dos Blind Guardian.

Eram 22:30 quando as luzes se apagaram e a intro War Of Wrath começa a tocar. Instalou-se a loucura total entre o publico, que estava lá na sua maioria pra ver os Blind Guardian. Foi assim do principio ao fim, com toda a gente a cantar as musicas em alto e bom som e a puxar pela banda o tempo todo, que fez q mais de uma vez a banda ficasse com cara de espanto ao assistir a tamanha entrega por parte do publico e isso reflectiu-se no empenho da banda, que deu tudo o que tinha para tornar este seu primeiro concerto em terra lusitanas, um concerto memorável. Realmente foi um concerto memorável, onde desfilaram grandes clássicos da banda como "Traveller in Time", "Nightfall", "The Script For My Requiem", "Imaginations From The Other Side" "Welcome To Dying" ou "Bright Eyes" que tocaram em exclusivo em Portugal, musica que já não tocavam há alguns anos.

Mas as musicas que para mim ainda tornaram esta noite mais inesquecivel foram a musica "Valhalla", que ninguém se cansava de cantar ao ponto de a banda deixar de tocar só pra ouvir o publico cantar em alto e bom som o refrão da musica e também as musicas acusticas "Lord Of The Rings" e "The Bard's Song (In The Forest)", tocadas ali no meio da floresta, ao sabor de um suave brisa nocturna que transportava um cheiro doce das árvores, que quando acabou o concerto ficámos com a sensação, que ao virar num dos caminhos de regresso na floresta poderíamos dar de caras com o feiticeiro Gandalf ou algum hobbit (he he he). O concerto acabou numa verdadeira apoteose, com a banda a afirmar que adorou e que já deviam ter vindo mais cedo e a prometer voltar em breve a Portugal muito em breve. Depois de terminado o festival foi o regresso, numa verdadeira...

...Journey Through the Dark.



Deixo aqui algumas fotos e o alinhamento do concerto.


Setlist:
1.War Of Wrath
2.Into The Storm
3.Another Holy War
4.Nightfall
5.Traveller in Time
6.The Script For My Requiem
7.Fly
8.Welcome To Dying
9.This Will Never End
10.The Quest For Tanelorn
11.Valhalla
12.Bright Eyes
13.Time Stands Still (At The Iron Hill)
14.Lord Of The Rings
15.Imaginations From The Other Side
Encore:
16.The Bard's Song-(In The Forest)
17.Mirror Mirror












Nota: fotos foram cedidas gentilmente por: Gonçalo, Tania, Daniel e Betty.

7 comentários:

Bola Oito disse...

FDX! Tanta foto! Metes mais fotos minhas no teu blog que eu no meu.

Boa review, mas ai esse português....ai ai ai.....


Qto ao facto de não poderem ir carros ao recinto do festival: tens de compreender que o espaço necessita de preservação. Restringir a entrada de carros foi a melhor opção.

E não tivémos de andar 2km pá! LOLOLOL 2 Km? Tu já andaste 2 Km? Não era assim tão longe.

Qto à GNR e tal...sinceramente não percebo qual é o problema. Não percebo. Sim havia imensa polícia.. E ENTÃO? Só se incomoda quem tiver a consciência pesada ou ande a fugir da lei. A mim não me incomodaram nada. Acho q mais uma vez a presença da polícia deveu-se ao facto de o festival se ter realizado onde realizou.

Convenhamos....o típico português festivaleiro, ou mm qq festivaleiro em geral, nem sempre se pauta pelas melhores condutas de civilidade.

gotadevidro disse...

Gostei da tua descrição....Li atentamente pois como sabes de musica da "pesada" pouco percebo.

Talvez tanta policia fosse mesmo para precaver desacatos. Afinal o pessoal às vezes abusa.....

Mas afinal tudo foi uma aventura e tudo valeu para veres o que tanto ansiavas.

Gostei das fotos.

Boa semana

bjitos da gota

GarçaReal disse...

Reportagem completa e cheia de belas fotos.

Não te podes queixar de não veres e ouvires o que gostas....ehehheheh

Gostei

Tiveste medo da bófia?

:)

bjgrande do lago

Rosa Silvestre disse...

Olá D. Uma bela reportagem com umas óptimas fotos.
Bjinho, RS.

Dreamaster disse...

Epá a mim pareceu mais que 1km. Continuo a dizer q já vi porcaria maior em outros festivais que não são de metal e não vi lá tanta policia.

Dreamaster disse...

Eu não tive medo da bofia. Só achei um grande exagero o numero elevado de policias. Em espanha fui a um festival bem maior e policia era minima e mesmo policia privada era em numero adequado e não o exagero q foi no Ermal.

Anónimo disse...

Li atentamente.

Fui de carro até ao acesso em terra batida ao festival, e depois tive que andar o resto a pé, portanto, sim, deveriam ter sido !!!2 KM!!! Falta de prática em caminhada? Já viste a trapalhada que seria naquela estrada fininha com carros para baixo e para cima… Alguns iam pela ribanceira abaixo de certeza!!!! Eu quase fui quando os autocarros passavam!!!!

Pelo que soube, o reforço da segurança deveu-se ao facto de anteriormente ter havido problemas com bens e pessoas, até parece que não sabes como é o civismo e a atitude em geral do português!!!!… A mim não me incomodou nada, não interferiram no normal decorrer do festival…

De notar a diferença de atitude tanto do público como das bandas do cartaz principal, só não percebi o que é que os RAMP estavam lá a fazer, tinham ficado bem na noite anterior!!! Mas sempre deu para descansar as pernitas e mandar uns bitaites para o ar…

Noite memorável, tempo bom, palco no meio da natureza, bom heavy metal, e um desejo tornado realidade!!!! Quando me deram a notícia “Sabes quem vem tocar a Portugal? Os Blind Guardian!” e eu respondi “Goza, goza, deves estar a brincar!” Mas afinal era a sério, e lá fui eu a correr comprar o bilhetinho! Para mim foi o mais especial de Blind Guardian e fiquei em êxtase 2 dias!

Não falaste da última banda?

E realmente o caminho de volta foi ao escuro e ao pó (devia de estar iluminado aqui sim para mim uma falha), mas com enorme satisfação!!!!